Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Sem Comentários

Conteúdo do artigo

Quando a ameaça interna é o chefe

Informações do artigo

A revelação do ex-presidente dos EUA, Trump, supostamente manipulando e removendo documentos confidenciais do governo apresenta desafios de segurança

Quando o insider é o presidente dos Estados Unidos, o manuseio incorreto e a remoção de informações assumem um comportamento diferente, dadas as implicações de segurança nacional. A mídia dos EUA divulgou amplamente como a Administração Nacional de Arquivos e Registros (National Archives) perseguiu o retorno de registros presidenciais perdidos, mais recentemente 15 caixas de documentos presidenciais que deveriam ter sido direcionados para os Arquivos Nacionais quando o mandato do presidente Trump terminou em 20 de janeiro de 2021.

Alega-se que o 45º presidente dos Estados Unidos orientou a coleta de materiais a serem colocados nessas caixas e encaminhados para sua residência na Flórida, onde estão sentados há mais de um ano. Também é alegado que dentro de algumas dessas caixas havia documentos que carregavam as classificações de segurança nacional “secret” e “top secret” da segurança nacional.

O National Archives pediu ao Departamento de Justiça (DOJ) que examine o tratamento do ex-presidente dos registros da Casa Branca.

A Lei de Registros Presidenciais

Desde 1981, o National Archives tem a responsabilidade de coletar, reunir e organizar os papéis dos presidentes e vice-presidentes de acordo com a Lei de Registros Presidenciais [Presidential Records Act (PRA)]. A PRA “estabelece a propriedade pública de todos os registros presidenciais”. A PRA coloca a “responsabilidade pela custódia e gestão dos registros presidenciais incumbentes com o Presidente”. A definição de registros é ampla e inclui tanto textos quanto eletrônicos (e-mail, memorandos, discursos, notas, faxes, etc.). Além disso, é responsabilidade do presidente e da equipe “tomar todas as medidas práticas para arquivar registros pessoais separadamente dos registros presidenciais”.

O PRA também inclui um meio pelo qual o presidente em exercício pode dispor de registros que “não tenham mais valor administrativo, histórico, informativo ou probatório, uma vez que as opiniões do arquivista dos Estados Unidos tenham sido obtidas por escrito”.

Em seu próximo livro “Confidence Man”, a repórter Maggie Haberman, do New York Times, compartilha como a equipe residente da Casa Branca teve que chamar o encanador para desentupir um vaso sanitário. O encanador encontrou pedaços rasgados de papel da impressora que causaram o entupimento.

O Arquivo Nacional, em um comunicado, observou como o ex-presidente era conhecido por rasgar registros, exigindo que os funcionários de gerenciamento de registros da Casa Branca os recuperassem e os juntassem de volta. A declaração continua dizendo que entre os registros entregues no final da presidência estavam vários “registros rasgados que não haviam sido reconstruídos pela Casa Branca”.

Manuseio de materiais classificados

As informações classificadas são tratadas de acordo com a necessidade de conhecimento do governo dos Estados Unidos e exigem que as informações sejam tratadas de maneira segura. A Agência de Comunicações da Casa Branca (WHCA) é encarregada de garantir que os materiais classificados – confidenciais – dentro da Casa Branca tenham um manuseio seguro em todos os momentos. Aqueles encarregados de uma autorização de segurança nacional também devem relatar qualquer manuseio incorreto de informações classificadas, seja deixando um pedaço de papel confidencial não protegido ou esquecendo de trancar um cofre no final do expediente. Além disso, a descoberta de materiais classificados fora de um ambiente seguro aprovado garante relatórios e investigações.

Encaminhamento do Arquivo Nacional para o Departamento de Justiça

Embora ter que caçar peças de memorabilia ou documentos após a transição de presidentes não seja particularmente incomum para o Arquivos Nacional, a remoção em massa de documentos, para incluir documentos classificados, é incomum. Para seu crédito, o órgão, após o recebimento da parcela de materiais de Mar-a-Largo, revisou os materiais em seu SCIF (Sensitive Compartmented Information Facility) e agora está fornecendo armazenamento seguro para esses materiais.

O Washington Post informou, em 9 de fevereiro, como o Arquivo Nacional pediu ao DOJ para revisar o tratamento dos registros da Casa Branca. Tal encaminhamento é garantido e apropriado, pois parece que tanto o PRA quanto as regras que regem o manuseio de materiais classificados foram violados.

Precedente de acusação

Há um amplo precedente para acusar criminalmente um indivíduo dentro do Poder Executivo do governo por manipulação indevida de informações classificadas. Dois exemplos notáveis são de John Deutch, ex-Diretor da CIA, e de Samuel (Sandy) Berger, ex-Conselheiro de Segurança Nacional.

Descobriu-se que Deutch reteve materiais confidenciais em sua residência pessoal muito depois de ser diretor. Deutch, que estava assessorando o governo em tópicos de segurança nacional, foi sumariamente destituído de sua habilitação de segurança nacional pelo então Diretor da CIA, George Tenet, e o incidente foi encaminhado ao DOJ. O próprio Deutch reconheceu publicamente seu manuseio incorreto dos materiais classificados. O DOJ e a equipe jurídica de Deutch fecharam um acordo em que ele se declararia culpado de uma única acusação de má administração de informações confidenciais do governo. O acordo chegou à mesa de Janet Reno, Procuradora-Geral, que aprovou o documento de cobrança de “informações”. Isso nunca aconteceu. O presidente Clinton concedeu perdão a Deutch em 20 de janeiro de 2001, para surpresa de todos os envolvidos.

Talvez um exemplo mais saliente envolvendo os Arquivos Nacionais seja o do Conselheiro de Segurança Nacional, Samuel R. Berger, que se declarou culpado da acusação de remover conscientemente documentos confidenciais dos Arquivos Nacionais. “Em seu pedido, Berger também admitiu que ocultou e removeu suas anotações manuscritas dos Arquivos antes de uma revisão de classificação, violando as regras e procedimentos do Arquivo [Nacional]. Essas notas foram devolvidas ao governo”. Um juiz federal, na sentença, ordenou que Berger fosse multado em US$ 50.000, sentenciado a dois anos de liberdade condicional, condenado a cumprir 100 horas de serviço comunitário e pagar uma multa de US$ 6.905 para cobrir os custos administrativos associados à sua liberdade condicional.

Perguntas restantes e conclusões do CISO

Se isso tivesse ocorrido no setor privado, a história estaria alinhada com o argumento de todos os provedores de soluções de ameaças internas sobre por que os programas de ameaças internas são importantes. A manchete mostraria como um CEO, o maior insider da empresa, partiu com os documentos da empresa. É um exemplo típico de ameaça interna realizada nos últimos dias de emprego do insider, e a empresa agora está perseguindo as informações perdidas para recuperar e proteger segredos comerciais ou propriedade intelectual.

O Arquivo Nacional notou no início de 2021 como os documentos que deveriam estar em sua posse no final do mandato do 45º Presidente não foram encaminhados e que ao longo do último ano vem trabalhando com as pessoas designadas dentro do gabinete do ex-presidente para que os documentos sejam entregues ao Arquivo Nacional.

A recuperação das 15 caixas do Arquivo Nacional nos deixa com perguntas a implorar por respostas. Um CISO pode fazer perguntas semelhantes caso um executivo que partiu tenha retido documentos confidenciais da empresa.

Quem teve acesso a esses documentos depois de saírem da residência do Presidente? Durante o mandato do Presidente, sem dúvida, foi-lhe concedido um armazenamento seguro de acordo com as normas de segurança nacional. Depois que ele deixou o cargo, essa capacidade de armazenamento seguro continuou?

Qual é o risco de os documentos mais sensíveis se tornarem publicamente conhecidos? Embora seja difícil especular sobre a substância dos materiais classificados, o fato de eles apresentarem marcações de alta classificação é evidência suficiente de sua importância. Qualquer revisão do DOJ também terá que incluir a participação do originador para determinar o dano potencial à segurança nacional do país.

Existem documentos adicionais a serem recuperados? Presumivelmente, o Arquivo Nacional estará analisando se documentos adicionais permanecem na posse do ex-presidente. Como saberemos?

Por fim, a questão da responsabilidade. O DOJ buscará recursos legais e processos judiciais, como foi o caso de Berger e Deutch?

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Menu voltado para os artigos