Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Prós e contras do Windows 10 para empresas

Informações do artigo

  • 43

Novo sistema operacional já roda em 8 milhões de PCs corporativos em 10 semanas. Veja alguns pontos de atenção antes de adotar a ferramenta

A Microsoft anunciou na terça-feira (06/10) que o Windows 10 já está presente em 110 milhões de aparelhos espalhados pelo mundo. Desse total, cerca de 8 milhões são compostos por máquinas de empresas. Lançado oficialmente no fim de julho, o software traz ainda um novo navegador (Edge), que registrou 650 bilhões de páginas web nos últimos meses.

O sistema teve um ótimo começo, conseguindo registrar nada menos que 75 milhões de usuários em apenas um mês. No entanto, esse ritmo caiu um pouco nas semanas seguintes, quando registrou os 35 milhões de registros posteriores. Vale notar que, pela primeira vez, a fabricante liberou o upgrade gratuito do novo sistema para os usuários das versões 7 e 8.1.

"O Windows 8 inseriu a Microsoft no mundo dos tablets. O Windows 10 avança no sentido de manter a proeminência da companhia no mercado corporativo. E eu acho que a estratégia vai ser bem sucedida", acredita Michael Silver, analista do Gartner. Ainda assim, a provedora trava algumas batalhas para consolidar a nova versão do SO no corporativo.

"Apesar de novas funcionalidades e melhorias, tais como as aplicações universais, incentivando as empresas desenvolverem uma única vez, sem se preocupar com o tipo de dispositivo onde a aplicação rodará, a maioria dos CIOs precisará ser convencida a atualizar os PCs de suas organizações", diz Stephen Kleynhans, também do Gartner.

Interessados em implantar o Windows 10, agora ou no futuro, terão que encarar um grande projeto. A migração de milhares de PCs é sempre uma grande tarefa para qualquer grande organização, que exige planejamento e investimentos significativos. Nesse caso, ainda mais, já que muita coisa mudou desde a última vez que a Microsoft ganhou um grande público, com o lançamento do Windows 7, há seis anos.

E por que as empresas devem considera a migração?

1 – O 10 não é o 8.
Um grande atrativo para as empresas, a partir de uma perspectiva do usuário final, é que o Windows 10 tenta corrigir alguns dos erros do seu antecessor. E a Microsoft usou o amado Windows 7 como fonte de inspiração.

Embora existam alguns toques modernos da versão 8, a área de trabalho será muito mais familiar para a maioria dos usuários. A interface moderna ficou em segundo plano e os aplicativos podem se comportar mais como aplicativos tradicionais do 7.

A familiaridade deve facilitar a transição para o pessoal de TI pessoal, para o pessoal de suporte e, principalmente, para os usuários finais.

"O envolvimento dos funcionários é superimportante para as organizações. Colaboradores mais felizes produzem mais", reforça Richard Edwards, analista da Ovum. "A produtividade está relacionada com a forma como seus funcionários se sentem, e o ambiente de computação do usuário final é um fator importante para isso."

Outras características incluem uma função de pesquisa melhorada, e a presença da assistente pessoal Cortana na área de trabalho pela primeira vez (no Brasil, este recurso só estará disponível nos próximos meses).

2 – Segurança e gerenciamento aprimorado.
Outra grande novidade para a equipe de TI são as melhorias em torno da segurança e de gestão. Novos recursos de gerenciamento de identidade serão fornecidos com o Windows 10, oferecendo acesso ao Active Directory através da nuvem Azure. Isto irá reduzir a dependência de senhas adicionais quando as contas se deslocam entre o desktop e os serviços em nuvem, como o Office 365 e a Windows Store.

O gerenciando móvel será mais fácil também: com o modelo app universal, a Microsoft quer oferecer suporte para uma ampla variedade de dispositivos móveis. Com isto em mente, reforçou as capacidades MDM para apoiar as políticas de proteção de dados dos clientes, o suporte para o gerenciamento de múltiplos usuários, o controle total sobre a Windows Store, a configuração de VPN e as capacidades para limpeza remota total do dispositivo. Novos recursos nesse sentido devem ser anunciados nos próximos meses.

A segurança também tem sido uma prioridade. "Fundamentalmente, a Microsoft está melhorando a segurança no nível do sistema operacional e do hardware. Ela tem feito um trabalho realmente bom ao implementar todos os recursos de segurança que empresas como a Intel podem oferecer", afirma David Johnson, analista da Forrester.

3 – Ciclo de atualizações (Windows como um serviço).
Além das novas funcionalidades do Windows 10, talvez a maior mudança para as empresas seja o ciclo de atualização. Há uma expectativa de que este será o último lançamento de um sistema operacional completo por parte da Microsoft. A companhia deve se mover para um quadro de atualizações incrementais.

"Este movimento é, em grande parte, uma resposta às novas realidades do mercado", diz Kleynhans, do Gartner. "A Microsoft é o único fornecedor que ainda tenta monetizar um sistema operacional para o dispositivo cliente. "Os usuários tornaram-se condicionados a verem o sistema operacional como parte do dispositivo, e algo que deve apenas ser atualizado para prolongar a vida útil do dispositivo. A abordagem da Microsoft de cobrar por atualizações parece anacrônica", explica Kleynhans.

Problemas?
A maior fraqueza dos novos sistemas operacionais é a integração de periféricos mais antigos, como impressoras e scanners. A Microsoft nem sempre garante que as novas versões do Windows funcionem com esses dispositivos (isso exigiria muitos recursos de desenvolvimento) e, como resultado, alguns desses aparelhos não serão compatíveis com o 10.

Uma preocupação que as empresas devem ter é com a antiga infraestrutura, que pode causar problemas críticos de compatibilidade, resultante em complexidade quanto a necessidade de métodos automáticos de migração. É importante ter certeza de que seus dispositivos funcionam no novo sistema operacional antes de atualizar.

"Mesmo que a atualização seja gratuita, as organizações devem estar conscientes de que o custo da migração envolve bem mais do que a licença do sistema operacional", afirma Kleynhans, do Gartner.

O custo médio para a atualização do XP foi de 1 mil dólares, de acordo com a Forrester. É provável que a migração para o Windows 10 custe menos. Mas ainda assim, pode ser um investimento significativo para qualquer grande empresa.

Os custos de formação de pessoal também devem ser levados em conta, em especial para aqueles que migram a partir do Windows 8.

Fonte:Computer World

Menu voltado para os artigos