Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Ministério Público pede que Google pare de monitorar e-mails do Gmail no Brasil

Informações do artigo

  • 26

O Ministério Público Federal do Piauí entrou com uma ação civil pública pedindo que o Google interrompa imediatamente o monitoramento e a análise de e-mails de usuários do Gmail no Brasil. O órgão pede ainda uma indenização no valor de R$ 1 milhão por dano moral coletivo. O valor será revertido ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos.

De acordo com o processo, a empresa descumpre normas brasileiras de proteção de dados. “O Google analisa o conteúdo dos e-mails sem ordem judicial ou autorização expressa, violando direitos da personalidade dos usuários”, declara o procurador da República Alexandre Assunção e Silva. O MPF pede a análise do caso em caráter de urgência, por meio de concessão de liminar.

Segundo o Ministério Público, o monitoramento é feito pela empresa com objetivos comerciais. “Pela lei brasileira, os dados pessoais são invioláveis e só podem ter seu sigilo levantado por ordem judicial ou consentimento expresso e destacado do interessado, que deverá ocorrer de forma destacada, deixando clara a necessidade de um consentimento específico do usuário para o tratamento de seus dados pessoais”, explica o procurador no documento.

Para ele, falta transparência no serviço de e-mail do Google. “A maioria dos usuários provavelmente não sabe que seus e-mails são analisados, pois esta informação não é prestada de maneira destacada, clara e precisa durante o procedimento de criação da conta”, afirma.

Google

Em nota ao UOL Tecnologia, o Google declarou que não comentará o caso. Em 2013 a empresa já havia afirmado que a análise do conteúdo de mensagens “decorre da necessidade de se otimizar a experiência e aumentar a proteção dos usuários no uso do Gmail, para se filtrar mensagens indesejadas, tais como spam, phishing, vírus e outros tipos de malware”.

Caso seja acolhida, a suspensão vai valer para o Brasil inteiro.

Fonte: OlharDigital

Menu voltado para os artigos