Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Metade dos dispositivos móveis no mundo não possui proteção contra cibercrimes

Informações do artigo

  • 27

Segundo pesquisa da Kaspersky Lab, entre 12 mil consultados, apenas 57% dos tablets e 53% dos smartphones têm uma solução de segurança instalada.

Metade dos dispositivos móveis em todo o mundo corre riscos relacionados a crimes virtuais e ameaças maliciosas devido à falta de proteção adequada. A avaliação é de pesquisa da Kaspersky Lab, que aponta a falta de conhecimento dos usuários sobre como proteger dispositivos móveis de forma eficaz.

O estudo está sendo divulgado esta semana em apoio à Campanha de Conscientização sobre Malware para Dispositivos Móveis (Mobile Malware Awareness Campaign) da Europol, parte da iniciativa Mês da Segurança Cibernética na Europa (European Cyber Security Month), que acontece sempre em outubro, com objetivo de conscientizar as pessoas sobre as ameaças virtuais.

Entre os 12 mil participantes da pesquisa, de 21 países, apenas 57% dos tablets e 53% dos smartphones têm uma solução de segurança instalada. As pessoas tendem a proteger seus computadores (88%) mais que seus dispositivos móveis, o que, de acordo com a Kaspersky, é um erro, considerando quantas informações pessoais e importantes são mantidas em celulares e tablets.

A pesquisa sugere que os usuários efetivamente desconhecem a necessidade de proteger seus dispositivos móveis com uma solução de segurança. Embora 54% deles achem que seus desktops e laptops precisam de um software de segurança, somente 42% pensam o mesmo sobre smartphones e tablets. Na verdade, preocupa o fato de um quinto (21%) dos usuários não saber nada sobre os malwares para dispositivos móveis.

Além de serem poucas as pessoas que protegem seus dispositivos móveis, quase todos os usuários que o fazem limitam-se ao uso de senhas – 81% têm uma senha em seus computadores e 82% protegem seus smartphones da mesma forma. A instituição alerta que isso é preocupante, porque, embora as senhas evitem que o dispositivo físico seja usado por outros, não oferecem nenhuma proteção contra malware, fraude ou ataques de phishing, que podem agir enquanto os dispositivos estão sob o controle dos próprios usuários. Apenas 41% dos consumidores protegem seus dispositivos móveis com uma senha e uma solução de segurança. Portanto, mais da metade dos dispositivos móveis do mundo está vulnerável a crimes virtuais.

Muitos dos perigos para os dispositivos resultam simplesmente das atividades das pessoas na internet e do fato de que elas armazenam e compartilham dados usando seus dispositivos móveis todos os dias. A pesquisa constatou que, dentre as vítimas de ameaças virtuais, 18% tiveram seus smartphones Android infectados, e 22% tiveram seus dados interceptados em smartphones Android.

“Os dispositivos móveis são uma parte importante de nossas vidas. Além de conter informações significativas, eles são nossa via de acesso a bancos on-line, e-mails, compartilhamento de fotos, comunicação com pessoas queridas. Não protegê-los não é uma opção, se quisermos proteger o que é mais importante para nós. Mas quando apenas metade dos dispositivos móveis contam com proteção efetiva, há muito a ser feito para que fiquemos a salvo das ameaças cibernéticas”, diz Victor Yablokov, chefe de linha de produtos para dispositivos móveis da Kaspersky Lab.

Para ajudar os usuários a proteger seus dispositivos móveis do crime virtual, a Kaspersky Lab desenvolveu o Kaspersky Internet Security for Android. O sistema protege smartphones e tablets de aplicativos e sites perigosos, garante a privacidade do usuário com o filtro de chamadas e mensagens, e tem recurso antirroubopara proteger os dados do usuário, caso o dispositivo seja perdido ou roubado.

Fonte: ComputerWorld

Menu voltado para os artigos