Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Lista negra do comércio eletrônico chega a 325 sites; consulte

Informações do artigo

  • 23
A relação dos sites de e-commerce não recomendados pelo Procon-SP não para de crescer.
A cinco dias da Black Friday e um mês do Natal, o documento ganhou mais três lojas virtuais (Baratoajato.com.br, Myamivendas.com e Miamicelular.com) e agora soma 325 que não responderam às notificações sobre queixas registradas pelos consumidores e, portanto, devem ser evitadas.
 
A falta de entrega do produto é a irregularidade mais comun entre os sites fraudulentos. A lista é composta por fornecedores que não foram localizados — inclusive pelo rastreamento feito no banco de dados de órgãos como Junta Comercial, Receita Federal e Registro BR, responsável pelo registro de domínios no Brasil. 
 
 
Além disso, vale a pena considerar as seguintes dicas elaboradas pelo Procon-SP para fugir das armadilhas online:
 
– Procure no site a identificação da loja (razão social, CNPJ, telefone e outras formas de contato além do e-mail);
 
– Prefira fornecedores recomendados por amigos ou familiares;
 
– Desconfie de ofertas vantajosas demais;
 
– Não compre em sites em que as únicas formas de pagamento aceitas são o o boleto bancário e/ou depósito em conta.
 
– Leia a política de privacidade da loja virtual para saber quais compromissos ela assume quanto ao armazenamento e manipulação de seus dados;
 
– Imprima ou salve todos os documentos que demonstrem a compra e a confirmação do pedido (comprovante de pagamento, contrato, anúncios, etc.);
 
– Instale programas de antivírus e o firewall (sistema que impede a transmissão e/ou recepção de acessos nocivos ou não autorizados) e os mantenha atualizados em seu computador;
 
– Nunca realize transações online em lan houses, cybercafés ou computadores públicos, pois podem não estar adequadamente protegidos.
 

Fonte: Olhar Digital

Menu voltado para os artigos