Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Hackers invadem sistema do Hospital de Câncer de Barretos e pedem resgate

Informações do artigo

  • 83
  • Ataque, Hackers, Hospital,
  • Uol

Pacientes no ambulatório de radioterapia do Hospital de Câncer de Barretos
Pacientes no ambulatório de radioterapia do Hospital de Câncer de Barretos

Um ataque de hackers afetou o sistema do Hospital de Câncer de Barretos (a 423 km de São Paulo) nesta terça-feira (27) e prejudicou a realização de ao menos 350 exames.

De acordo com o hospital, a invasão foi percebida por volta das 9h e afetou as unidades de Barretos, Jales e Porto Velho (RO), além dos institutos de prevenção em outras cidades do país. A Santa Casa de Barretos, administrada desde 2016 pela fundação responsável pelo Hospital de Câncer, também foi atingida.

Os hackers pedem o pagamento de resgate de US$ 300 (o equivalente a R$ 995,40, ao câmbio desta terça) por computador, a serem pagos em bitcoins, dinheiro digital usado para compras legais de produtos, mas também para diferentes transações ilegais.

Um crédito comprado no Brasil, por exemplo, pode ser sacado em dinheiro em qualquer parte do mundo ou ser usado na compra de armas e drogas na chamada “deep web” –a internet profunda. Além de serem isentas de cobranças de taxas, as transações são feitas sem a possibilidade de rastreamento.

Como só em Barretos o hospital tem cerca de mil computadores, o valor exigido como resgate, se pago, chegaria a R$ 995,4 mil.

Com a invasão, funcionários passaram a trabalhar em formulários manuais, o que deixou o serviço mais lento. No setor de radioterapia nas unidades de Jales e Barretos, cerca de 350 pacientes tiveram os exames prejudicados.

De acordo com o Hospital de Câncer, as informações dos pacientes estão “seguras e preservadas” e a previsão é que o sistema esteja normalizado em até três dias.

No mês passado, um ciberataque atingiu ao menos 150 países.

O pagamento de recompensa a hackers para reativar o acesso a computadores equivale a “negociar com bandidos” e deve ser evitado, segundo Fabio Assolini, analista da empresa de cibersegurança Kaspersky.

 

 

Menu voltado para os artigos