Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Governo estuda uso de software livre para impedir espionagem

Informações do artigo

  • 58

O governo brasileiro parece estar se mexendo para reduzir ao máximo o espaço para espionagem. A nova informação, veiculada no Diário Oficial, é que computadores e softwares que não possibilitarem auditoria pelo poder público não serão mais comprados, o que deve abrir espaço para o software livre.

Desta forma, a partir do ano que vem, sistemas fechados como Windows e Mac OS não poderiam mais ser utilizados, caso as empresas não permitam investigação se há brechas no código dos programas para espionagem.

Hoje, ao instalar um programa, é necessário assinar um termo de uso que possibilita o monitoramento do computador do usuário de forma remota. O governo quer, no mínimo, poder saber e monitorar quando esta visualização está acontecendo para evitar o vazamento de dados.

Segundo a Folha de S. Paulo, o governo não tem planos para realizar uma troca massiva de máquinas e softwares, mas quer impedir que novos computadores que facilitem a espionagem sejam comprados. Com isso, a tendência é que o software livre, como as distribuições do Linux e os pacotes LibreOffice ou OpenOffice, sejam adotados ao longo dos próximos anos, caso não haja progresso nas negociações com empresas.

Além de possivelmente melhorar a segurança das informações governamentais, a medida também possibilitaria uma economia grande para os cofres públicos, já que estes programas não requerem o pagamento de licenças, como é o caso dos computadores com Mac OS e Windows e o pacote Office. 

Fonte: Olhar Digital

Menu voltado para os artigos