Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Fintech SD Bank chega ao mercado tendo como alvo os desbancarizados

Informações do artigo

  • 15

O público alvo da startup catarinense é a população das classes C e D e as pequenas e médias empresas

O mercado brasileiro de fintechs acaba de ganhar mais um concorrente. Trata-se da catarinense SD Bank, que se lança oferecendo várias operações financeiras online, tais como pagamentos, transferências, cobranças programadas, emissão de boletos, cartão pré-pago e cheque digital, a sua maior aposta.

O público alvo da empresa é a população das classes C e D, principalmente os chamados desbancarizados, e as pequenas e médias empresas. O perfil basicamente são estudantes, profissionais liberais, empresários em início de carreira, ou seja, pessoas físicas e jurídicas que buscam ultrapassar as barreiras até então impostas pelos bancos e financeiras tradicionais, explica Adriano Silveira, CEO da SD Bank.

Grande parte da população economicamente ativa no Brasil não possui acesso a serviços financeiros. Estima-se que esse número alcance cerca de 55 milhões de brasileiros. Até recentemente, o foco das grandes instituições financeiras eram pessoas das classes média e alta. Um exemplo são as enormes filas em bancos e lotéricas de pessoas que querem apenas pagar contas, operação financeira que pode ser realizada facilmente via smartphone.

Não obstante, as micro e pequenas empresas também têm dificuldade de acessar serviços financeiros. Além disso, essas empresas não conseguem dispor de alternativas de pagamento para seus clientes, pois as mensalidades e taxas das administradoras dos cartões são muito altas (em média 5% por transação), o que impactam no resultados financeiros.

Menos burocracia

Foi pensando em preencher essas lacunas que Silveira e outros quatro empreendedores se uniram para criar o SD Bank. “Queremos que as pessoas possam aproveitar o tempo com aquilo que realmente interessa a elas. Faremos nossa parte, menos burocracia, mais facilidade ao acesso aos serviços financeiros essenciais e por fim, permitir que cada estabelecimento decida se vai ou não pagar a taxa de risco. Os millennials, a conhecida geração Y, incorporam com mais facilidade as novas propostas em todos os setores. Nosso maior desafio será ultrapassar a barreira muitas vezes imposta pelas gerações anteriores, que por uma questão cultural ainda sentem dificuldade de adaptar-se ao novo. É uma questão de novos hábitos”, aponta Silveira.

Entre os serviços oferecidos pelo SD Bank estão a emissão de boletos, pagamentos de contas, operações de transferências e pagamento digital à vista, realização de compras em mais de 3 milhões de estabelecimentos com cartão pré-pago (bandeira Mastercard) e emissão de cheque digital. A maior aposta da startup, no entanto, é no Cheque Digital.

“Através do Cheque Digital, a SD Bank quer gerar mais segurança nesses tipos de transações, já que, quando comparado ao método tradicional, o Cheque Digital apresenta inúmeras vantagens, independentemente do valor da compra”, diz Silveira, acrescentando que, enquanto na versão tradicional existe um alto potencial de falsificação e roubo, na nova proposta isso não ocorre por não haver emissão de papel.

Até o momento, o SB Bank, cuja sede fica no polo de inovação de Palhoça, na Grande Florianópolis, firmou parceria com a Acesso/MasterCard, operadora de cartão com aceitação em todo Brasil e no mundo, para a modalidade do cartão pré-pago. A startup está na fase final dos testes do aplicativo, que deve ser lançado em fevereiro de 2017. Os usuários interessados no aplicativo e nas soluções financeiras da fintech podem obter mais informações e entrar em contato através do site www.sdbank.com.br.

Fonte: ComputerWorld

Menu voltado para os artigos