Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Fazendo Windows 8.1 parecer com Windows 7

Informações do artigo

  • 16

Não meramente por uma questão de estética, mas para tornar seu uso mais fácil para os antigos usuários de Windows 7 que migraram para a nova versão mas usam máquinas – de mesa ou portáteis – operadas com teclado e mouse sem telas sensíveis ao toque.

 
O primeiro ponto já foi abordado e tem a ver com a tão solicitada volta do botão Iniciar. E nem é preciso alterar qualquer configuração, mas algo muito mais simples: usar o botão (do mouse) correto. Isto porque quase todas as funções de Windows 7 a que se tinha acesso clicando no botão Iniciar com o botão principal do mouse (em geral o esquerdo) agora aparecem com um clique do botão secundário, o direito. A lista de funções é exibida no formato de um menu de Contexto. Clique com o botão direito do mouse sobre o novo botão Iniciar de Windows 8.1 e veja reaparecer funções como “Sistema”, “Conexões de rede”, “Gerenciamento de disco”, “Gerenciador de Tarefas”, “Painel de controle” e “Executar”, todas elas ao alcance de um clique. A única coisa importante que aparentemente fica faltando é a entrada “Programas”, com a lista de programas disponíveis. O que não chega a ser um problema porque há uma forma igualmente fácil de chegar não exatamente a ela, mas a um sucedâneo que supre sua falta e que logo mencionaremos.
 
A segunda reclamação mais frequente dos usuários de Windows 7 é a malfadada tela Iniciar, aquela que aparece imediatamente depois do Windows 8 ser carregado. E com esta, concordo integralmente: enquanto usei Windows 8, minha primeira providência ao ver a tela Iniciar era clicar no bloco dinâmico “Área de Trabalho” e saltar para um ambiente mais familiar e praticamente igual à Área de Trabalho de Windows 7. Pois bem: atendendo aos reclamos deste tipo de usuário, os diligentes desenvolvedores de Windows providenciaram um ajuste que permite fazer com que o sistema apresente ao usuário a Área de Trabalho não somente imediatamente após a inicialização do Windows 8.1, mas também quando todos os aplicativos de uma tela forem fechados (em Windows 8, quando se fecha a última janela, o sistema volta a exibir a tela Iniciar). Para assim efetuar a configuração de sua máquina, entre em Windows 8.1, passe para a Área de Trabalho clicando em seu bloco dinâmico na tela Iniciar e, já na Área de Trabalho, clique com o botão direito na Barra de Tarefas para abrir a janela “Propriedades da Barra de Tarefas e Navegação”.
 
A primeira coisa que você notará ao compará-la com a do Windows 8 é que, além da sutil mudança de nome, ela contém uma nova guia, a “Navegação”. É justamente nela que está o ajuste que desejamos: a caixa “Quando eu entrar ou fechar todos os aplicativos em uma tela, ir para a Área de Trabalho em vez de Iniciar”, no grupo “Tela Inicial”. Marque a caixa correspondente e, na próxima vez que você inicializar seu Windows 8.1, ele o levará diretamente para a Área de Trabalho. Mas não tenha tanta pressa em experimentar isto e não feche esta janela, porque ainda há ajustes a serem feitos nela.
 
Seguinte: algo que sempre me incomodou e, presumo, incomodou igualmente aos demais usuários de Windows 8 em máquinas de mesa, é o fato do fundo da tela Iniciar ser aquela coisa opaca, sem graça. Sempre achei que, se o sistema me permitia mudar a meu bel prazer o fundo da Área de Trabalho usando nele a figura ou foto que melhor me aprouvesse, não havia razão para “engessar” as alterações de fundo da tela Iniciar em uma gama muito menor de opções. Pois bem, isso agora mudou, e Windows 8.1 lhe permite usar a mesma imagem de fundo tanto na Área de Trabalho quanto na tela Iniciar. Para isto, basta marcar a caixa seguinte da guia “Navegar” da janela “Propriedades da Barra de Tarefas e Navegação”, que ainda deve estar aberta. Trata-se da entrada “Mostrar tela de fundo da área de trabalho na tela iniciar”. Marque a caixa correspondente que a partir de então sua Área de Trabalho e sua tela Iniciar compartilharão a mesma imagem de fundo. Não é muita coisa, não altera a operação do sistema nem oferece nenhuma outra vantagem além de uma estética mais apurada. Mas evita a sensação de que se “mudou de sistema” quando é preciso invocar a tela Iniciar.
 
Agora voltemos à questão da falecida entrada “Programas” do menu Iniciar que, efetivamente, desapareceu para sempre. Onde encontrar a lista de programas?
 
Bem, quando mencionamos o novo botão Iniciar, explicamos que para se ter de volta o menu, deve-se clicar nele com o botão direito do mouse. Mas o que acontece quando nele se clica com o botão principal (o esquerdo)? Surpreendentemente para os velhos usuários Windows, este clique leva à tela Iniciar, aquela mesma da qual acabamos de fugir no parágrafo anterior.
 
Pois bem, a tela Iniciar de Windows 8.1 apresenta um novo ícone em formato de seta apontando para baixo no interior de um círculo, abaixo dos blocos dinâmicos e à esquerda da tela. Um clique neste ícone mostra os blocos de todos os aplicativos ordenados por nome (critério de ordenação que o usuário pode mudar para “Por data de Instalação”, “Por mais usado” e “por categoria”). Esta tela, que a Microsoft chama de “modo de exibição de Aplicativos”, não tem a mesma funcionalidade da lista hierárquica de programas da entrada Programas do menu Iniciar de Windows 7, mas pelo menos é uma forma de ter acesso a TODOS os programas instalados na máquina.
 
Gostou dela? O modo de exibição de aplicativos lhe pareceu mais palatável que a tela Iniciar? Gostaria que, ao clicar no novo botão Iniciar com o botão principal do mouse, você fosse levado diretamente à ela e não à Iniciar? Pois então, basta retornar à nossa já conhecida guia “Navegação” da janela “Propriedades da barra de tarefas e de navegação” e marcar a caixa “Mostrar automaticamente o modo de exibição Aplicativos quando eu entrar na tela Iniciar”. Agora, quando você acionar o botão Iniciar, será levado diretamente à tela com todos os aplicativos que também exibe o novo ícone no mesmo local, com a diferença de que agora a seta no interior da circunferência aponta para cima. Um clique nela lhe leva à tela Iniciar.
 
Talvez alguns achem desagradável o fato de os ícones dos programas na tela de exibição de aplicativos estarem ordenados, mas não agrupados. E os preferissem agrupados de acordo com seus próprios critérios.
 
Evidentemente, nada impede que o usuário crie pastas na Área de Trabalho, atribua-lhes nomes representativos de seus conteúdos e, no interior de cada uma, crie atalhos dos programas que achar conveniente. Esta é a forma que eu uso para agrupar aplicativos na Área de Trabalho. Mas e quem prefere fazer isto na tela Iniciar?
 
Bem, para começar, por mais antipática que ela possa lhe parecer, a tela Iniciar tem lá suas utilidades. Especialmente agora, com as alterações introduzidas com Windows 8.1.
 
Vamos lá: a tela Iniciar de Windows 8 permitia que nela fossem fixados blocos de dois tamanhos. Um deles, quadrado, não era exatamente dinâmico porque não alterava seu conteúdo. O outro, um retângulo com uma superfície igual a de dois blocos quadrados justapostos, este sim era dinâmico: no bloco referente a “Notícias”, por exemplo, apareciam chamadas para as notícias mais relevantes, no que exibe a previsão do tempo as condições vão sendo atualizadas, e coisa e tal.
 
Pois bem: a nova interface oferece mais dois tamanhos. Um deles, batizado de “Pequeno”, é também quadrado, porém menor do que o quadrado original (exatamente um quarto de sua superfície, uma vez que seu lado é igual à metade do lado do quadrado original). E o outro, denominado de “Grande”, corresponde a dois retângulos antigos, superpostos, formando um quadrado com uma superfície quatro vezes maior do que a do quadrado original. Existem, então, agora quatro tamanhos cujos nomes são: Pequeno (novo), Médio (o quadrado de Windows 8), Largo (o retângulo de Windows 8) e Grande (novo). Parece bobagem, mas esta possibilidade de ajustar no tamanho grande os blocos dinâmicos que exibem informações relevantes (como notícias e novas mensagens de correio eletrônico) e reduzir para o tamanho pequeno os blocos de aplicativos correlatos, fazendo-os ocupar menor área da tela, é mais que bem-vinda, pois afinal máquinas de mesa costumam usar monitores de tela larga e alta resolução, fazendo com que um número muito maior de itens caiba na tela (para alterar o tamanho de um bloco, clique sobre ele premindo simultaneamente a tecla Ctrl para selecioná-lo e recorra ao ícone “Redimensionar” que então aparece na base da tela).
 
Além disso, para facilitar a organização dos aplicativos em grupos com conteúdo correlato, a nova interface permite que o usuário selecione no modo de exibição de aplicativos mais de um bloco e os fixe em conjunto na tela Iniciar (com o auxílio da tecla Ctrl como acima descrito), formando um grupo de aplicativos que pode receber um nome escolhido pelo usuário (clicando na barra que aparece encimando o grupo). Com isto, tem-se um simulacro da entrada “Programas” do velho menu Iniciar de Windows 7 em plena tela Iniciar de Windows 8.1. Não cumpre exatamente as mesmas funcionalidades, mas “quebra um galho”.
 
Estas últimas novidades (blocos grandes e pequenos, blocos agrupados e grupos aos quais foram atribuídas designações) aparecem na figura que ilustra esta coluna.
 
Pronto, isto é o que basta, por enquanto, para que seu Windows 8.1 fique com uma “cara” mais parecida com a do Windows 7. E, sobretudo: apresente uma interface muito mais fácil de ser operada com teclado e mouse.
 
Fonte: ITWEB

Menu voltado para os artigos