Cabeçalho do site

Barra de acessos extras do site

Barra de acessos extras do site

English Português Español

Área de acessos a todo o site

Página de apresentação de um artigo

Banner do artigo

Conteúdo do artigo

Apenas 15% das empresas se consideram aptas a adotar um modelo de negócio digital

Informações do artigo

  • 20

Embora 72% dos executivos nos EUA e Europa vejam o negócio digital como essencial para o sucesso, poucos acham que suas empresas estão preparadas, indica pesquisa da Unisys-IDC.

Quase três quartos (72%) dos executivos de negócios e TI nos Estados Unidos e na Europa avaliam que é essencial ou muito importante para uma organização modificar seus processos de TI e seus recursos para implantação de um modelo de negócio digital. Isso representa um aumento de sete pontos percentuais (antes com 65%) em relação a uma pergunta similar em uma pesquisa feita em 2105 pela IDG Research por encomenda da Unisys.

O levantamento mostra que os entrevistados claramente percebem o valor da computação em nuvem como o elemento decisivo em uma infraestrutura de TI que possibilita negócios digitais — eles relatam que mais da metade (55%) dos aplicativos das suas organizações já estão implementados em um ambiente de nuvem.

Além disso, os entrevistados indicaram que suas organizações estão vendo resultados positivos da nuvem primária e iniciativas digitais, com melhorias ao longo dos últimos 12 meses em várias áreas, incluindo segurança dos dados (56%), experiência do usuário com aplicativos e serviços (44%), eficiência de TI (42%) e desempenho/disponibilidade da infraestrutura (41%).

No entanto, os executivos mostram maior receio em relação à capacidade da sua organização de construir rapidamente um sucesso inicial. Por exemplo, menos de um em cada cinco (15%) dos entrevistados indicam que suas organizações têm atualmente os atributos “extremamente flexíveis/ágeis” necessários para implementar um modelo digital que permita capitalizar totalmente as futuras oportunidades de negócios.

Esses recursos não muito robustos podem representar um desafio em áreas que os entrevistados veem como prioridades nos próximos 12 meses. Por exemplo, 88% citam a segurança dos dados na nuvem como prioridade para a competitividade no mundo digital, enquanto apenas 32% citam progressos significativos, criando uma lacuna de 56 pontos percentuais entre a aspiração e a execução.

Da mesma forma, menos de um terço dos entrevistados relatam progressos significativos em outras áreas principais para negócios digitais, desde a criação de ambientes de TI escalonáveis/previsíveis (24%) até obter um alto nível de visibilidade para ambientes de TI (32%). Estas deficiências podem frear o progresso em um momento em que ele deve ser acelerado.

No lado positivo, o estudo mostra que os entrevistados que consideram suas organizações extremamente flexíveis e ágeis, e mais agressivas em adotar a nuvem, relatam com mais frequência benefícios no uso de aplicativos em nuvem do que o número total de entrevistados.

Quase três quintos (59%) dos executivos que identificam suas organizações como extremamente ágeis dizem ter visto melhoria na segurança de dados (em relação a 56% daqueles que não ágeis), enquanto que 56% do mesmo grupo dizem que estão vendo melhoria na velocidade de tomada de decisões de negócios. Em contrapartida, apenas 18% das pessoas que identificaram suas organizações como menos ágeis viram melhoria na velocidade de tomada de decisões. Há também uma grande disparidade entre os que relataram experiência de usuário aprimorada com aplicativos e serviços. Mais da metade (52%) do grupo extremamente ágil relata esse benefício, enquanto apenas 38% do grupo menos ágil pode dizer o mesmo.

Os entrevistados em organizações extremamente ágeis também são mais propensos a relatar uma melhor experiência do cliente através da integração da infraestrutura e aplicativos com a Internet das coisas (IoT).

Para a pesquisa, foram entrevistados 175 executivos de negócios e TI nos Estados Unidos e na Europa sobre as iniciativas que suas organizações estão realizando para capitalizar a convergência de redes sociais, nuvem, mobilidade, análise de dados, internet das coisas (IoT) e segurança.

Fonte: ComputerWorld

Menu voltado para os artigos